Outubro é o mês dedicado às crianças. Em meio a festas e comemorações para o público infantil, a Secretaria de Estado da Saúde traz orientações e ações de prevenção sobre acidentes domésticos, principalmente o uso indevido de medicamentos que pode causar intoxicações.

Segundo os registros do Núcleo Hospitalar de Vigilância Epidemiológica do Hospital Infantil Joana de Gusmão, houve um aumento das notificações por intoxicação exógena (por substâncias), entre 2008 e 2013. No ano passado, dos 339 acidentes notificados na unidade, 59 ocorreram por intoxicação exógena. Das causas conhecidas, a que ocorre com maior freqüência é por medicamentos (16%) e produtos de uso domiciliar (6%). Outros fatores, como produtos químicos, raticida, drogas de abuso, alimentos e bebidas, produtos veterinários, agrotóxico, são menos comuns.

De acordo com o Centro de Informações Toxicológicas (CIT/SC), os medicamentos ocupam o primeiro lugar entre as exposições tóxicas, principalmente em crianças. Dados apontam que dos 10.928 casos de intoxicação registrados pelo órgão em 2013, 1.936 casos foram em crianças de um a quatro anos. Dentre eles, 685 estavam relacionados com a ingestão de medicamentos e outros 338 envolviam produtos químicos de uso doméstico.

“A prevenção é o melhor remédio. É importante lembrar que medicamentos e produtos químicos devem ser mantidos longe do alcance das crianças. E que elas sejam orientadas que remédio não é bala ou doce. O correto é explicar para quê servem os medicamentos e como eles também podem ser perigosos”, explica a coordenadora do CIT/SC, Marlene Zanin.

Em caso de acidentes com remédios, mantenha a calma. “Se o paciente estiver inconsciente ou em convulsões chame o serviço de saúde de emergência.  É importante não provocar vômitos nem tomar medidas caseiras”, orienta Marlene. Ao ligar para o CIT, é importante saber o peso e a idade da criança, o nome do medicamento e a quantidade ingerida, relatar como a pessoa se sente ou age e informar o número de telefone para contato.

Ações simples podem evitar esse tipo de acidentes:

- Evite tomar medicamentos na frente de crianças.
- Os medicamentos são ingeridos por crianças que os encontram em local de fácil acesso, deixados pelo adulto, por despertarem sua curiosidade.
- Pílulas coloridas, embalagens e garrafas bonitas, brilhantes e atraentes, odor e sabor adocicados despertam a atenção e a curiosidade natural das crianças; não estimule essa curiosidade.
- Cuidado com medicamentos de uso infantil e de adulto com embalagens muito parecidas; erros de identificação podem causar intoxicações graves e, às vezes, fatais.
- Nunca utilize medicamentos que não foram prescritos ou que foram prescritos para outra pessoa ou até mesmo sem orientação médica.
- Utilize produtos e medicamentos com embalagens seguras e resistentes, fechando bem a tampa após o uso. E mesmo assim, nunca deixe a criança com estas embalagens.
- Nunca use medicamentos com prazo de validade vencida.
- Nunca tome ou administre medicamentos no escuro para que não haja trocas perigosas.
- Mantenha os medicamentos nas embalagens originais.
- Descarte medicamentos vencidos adequadamente, sem nunca colocá-los na lixeira. Informe-se como funciona o descarte no seu município, ou entregue os medicamentos nos postos de saúde ou na farmácia mais próxima.
- Em caso de dúvidas ligue para o Centro de Informações Toxicológicas: 0800 643 5252.


Ana Paula Bandeira 
Secretaria de Estado de Saúde/SC

Post A Comment: