foto/divulgação: Adriana Baldissarelli/Divulgação Comcap
Com um empurrãozinho do presidente Márcio Alves, setores de manutenção, coleta e limpeza pública se uniram para inovar. Já são cinco novos equipamentos: latões para resíduos, bituqueiras, pá, vassoura de aço e cri-cri. Os três últimos itens estão em desenvolvimento e teste para uso na limpeza pública da Comcap. Todos são concebidos e produzidos com talento próprio e materiais reaproveitados dos Ecopontos. 

A pá, mais ergonômica e resistente, foi pensada pelo auxiliar operacional José Carlos da Costa. Ele teve dificuldade no Carnaval passado para usar a pá no recolhimento de garrafas e outros resíduos mais pesados que ainda são jogados na rua nessas ocasiões de festas públicas. Como foi convocado para trabalhar no Réveillon, aproveitou seu tempo na oficina de equipamentos e mobiliário do Centro de Valorização de Resíduos para fazer uma pá customizada. 

Pazinha Comcap é aprovada 

O equipamento chamou a atenção dos colegas e hoje já são 10 protótipos em teste e 30 em produção para entrega no Carnaval, quando também será apresentada uma bernunça articulada para limpeza na Passarela Nego Quirido, informa Jefferson Gonçalves dos Santos que cuida da oficina.


As garis de limpeza pública do módulo 1, que cuida do Centro da cidade, estão testando e aprovando a pá. Cintia De Amorim comenta que o segundo protótipo já veio com peso mais adequado e com material, ainda assim, bem resistente. “Gostei do trabalho dos colegas, e pensar que é produzida na empresa, com reciclagem. É economia para Comcap e poluição e a menos”, aprova ela.


Elaine Luz Mariano concorda que a pá melhorou bastante nesse processo de teste e checagem com quem trabalha. Todas as pás compradas pela Comcap, destaca, eram antes do primeiro uso, entortadas com o pé, para alcançar a inclinação necessária. Esse protótipo já vem ajustado. 

Iniciativa dos próprios empregados 

De acordo com o presidente da Comcap, Márcio Alves, é muito apropriada essa iniciativa de alguns colegas perceberem a demanda dos demais e adaptar os instrumentos para facilitar o trabalho. Em 2019, a Comcap gastou em torno de R$ 1 mil na compra de pás, custo que deverá deixar de existir com a produção própria. “Mas o ganho e o valor dessa iniciativa são ainda maiores, são novas atitudes para tornar a Comcap melhor, mais forte e sustentável”, destaca. 

Vassoura de aço aumenta cinco vezes a produtividade 

A ideia da vassoura de aço foi de Sidney Antunes. Ele já havia testado escova de churrasqueira para arrancar o mato que cresce nas fendas do pavimento das vias públicas. A ideia era aliviar o trabalho de espetinho, com o cri-cri, como é chamada a haste com ferro na ponta com que é feita a limpeza das pedras portuguesas, por exemplo, no Centro. A oficina do CVR ajudou e foi montada uma vassoura com cerdas de aço, reaproveitadas das varredeiras mecânicas (bobcats). 

“O espetinho é um trabalho chato e demorado, com a nova vassoura estamos reduzindo o tempo de uma hora para 20 ou até 10 minutos dependendo do tamanho da vegetação”, indica Sidney. A vassoura de aço é aplicável em 70% dos casos e, para completar, a melhoria, também estão sendo estudados novos cri-cris. 

Melhores condições de trabalho 

“Os novos equipamentos permitem melhor condição de trabalho, porque nós fazemos esforço e não exercício físico. A finalidade da vassoura é fazer o mesmo trabalho em menos tempo”, comenta Michele Rodrigues. 

Também a pá tem essa finalidade de dar mais conforto e melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores. Jefferson destaca que os requisitos do novo equipamento foram apurados com as margaridas e a produção é inteiramente com materiais reaproveitados, como laterais de geladeira ou máquina de lavar e cabos de vassoura e rastel velhos.

Post A Comment: